Seguidores todos

quinta-feira, 29 de abril de 2010

LIBERDADE


LIBERDADE

Como eu, a calopsita
Assustada e chorosa
Busca em meio às rosas,
Beleza pra sua vida;
Pois seu vôo soberano,
Traçou um rumo, um plano
Antes, já adormecido...

Veio ao encontro do meu peito
Olhinhos negros arregalados
E por não haver outro meio,
Nossas vidas entrelaçadas
Buscando juntas a enleios
Conquistar novas jornadas;

Mas nada sei sobre ti
Calopsita querida,
Linda! A minha preferida
Por que buscou a mim?
Nada tenho a lhe oferecer
A não ser o meu jardim!

Se já era prisioneira
Então viu em mim esperança,
De ser liberta pra vida
Mas se quiser casa e comida,
Então, apague a lembrança
Desta ruína campeira!

Ruína campeira: Uma grande chuva de granizo.
,

Um comentário:

  1. Lindos versos, Ivany. Ternos. Parabens. Dante

    ResponderExcluir

Um comentário me fará feliz!
Obrigada!